quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Até !

Vários suspiros antes de começar esse texto, vários...

Eu sei que não sei de nada mesmo, tenho plena consciência de que levarei vidas para transcender o pensamento ideal, convivo com minhas fraquezas, com meus calcanhares de Aquiles diariamente tanto quanto vocês e sabemos como é;
no ápice da dor o corpo adormece, formiga a garganta seca e fecha, a saliva desce agarrada na pele resposta e o coração toma conta de tudo.
parece não caber dentro, parece querer ser arrancado;
minha falta de cor me entrega e só não me entrego porque a falta de você consome todo o restante
e você já se entregou por mim....
não me rendo porque preciso render aqui na Terra, resgatar algumas coisas, dever de casa.
desacreditei, não quis aceitar, daí fui indo....levando...engoli.
eu penso no escorpião, penso no veneno, penso na dor e no efeito
e depois de engolir, outros pensamentos vieram, outras sensações por consequência
e voltar pra casa, naquele dia, foi o mais difícil
ter que aguentar minha cabeça me lançando todo tipo de ideia ruim, numa tentativa desesperada por explicação, conforto que seja.
já entendi que o conforto nesse caso não existe e não adianta mascarar, o resultado ...todo mundo sabe.
aguentar pessoas te dizendo barbáries, tentando se encaixar de qualquer forma naquilo
perceber as reações ensaiadas, os olhares na busca de outros..
ainda me assusto quando pronunciam seu nome, ainda me aperta quando penso
tive muito medo,preciso ser sincera, ainda estou.
mas dentre tantas coisas ruins, recebi não sei de quem, ótimas vibrações que me acalmaram
agradeço... precisei.
e agora vou caminhar, com a saudade no peito e as boas lembranças também no coração.
é assim, a crueldade e o encanto das coisas se cruzam o tempo todo.
sinto a beleza da ausência e crueldade do fato.
o fato é esse, o sentido .....é infinito.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

qual é ?

É tudo questão de gosto mesmo
a habilidade está em conseguir apreciar os paradoxos
sem opinar de cara
saborear as diferenças e sentí las em cada parte do corpo
absorver as essências
para então achar que as entende

É tudo questão de gosto mesmo
qual é o sabor da sua ?
     [ habilidade ]

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Dois em um

Gostas da imperfeição, não é?

Honra seus defeitos como se fossem qualidades tortas
absolutamente validadas por seu gosto salpicado

Resta-me perguntar a você que se encontra na perfeição dos recortes

Por que cargas d'água procuras um amor perfeito?

domingo, 9 de outubro de 2011

Quem se acostuma com o conflito se estranha com a harmonia.
da mesma forma que quem aprecia os dias de sol não gosta das nuvens cinzas.

ahn....

Gosto da harmonia dos conflitos.





ps. e dos dias nublados .

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Luci dez

Lucidez, não me tire o encanto de ser
de saber errar quando puder
de ser quem se é


não me tire os pecados do corpo
do espírito novo
da velha travessia
da busca nova poesia


Lucidez eu lhes digo
nao sejas cruel
a ponto de me privar ao primeiro céu
são sete
e as proezas desse mundo são uno


Quero mesmo Lucidez 
que você suma e que seja de vez
aos passos Dez de Luci
uma esfinge devoradora
no perímetro x


Sejas tão musa quanto a lua
dançante mutante
brilhe luz e conquiste o ar
que de longe eu
variante
te admiro o bastante

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Por ser ?

é que distorcemos a realidade, ou achamos que;
o reflexo que se vê não é o que é
talvez sejamos distorcidos e a realidade tenha seu perfeito contorno

somos seres absorvidos por informações de segunda mão
quando é que a informação foi de primeira?
nascemos neste contexto
se quer a imaginação escapa
é condicionada também

condições das quais não me conformo
inquieto-me diante do pouco que sei
do pouco que todos sabem
não há de ser isso apenas

se for...
não há de ser!

inúmeras foram as vezes em que me questionei sobre a origem das ideias
nada comparado a nada
por que essas ?
como seria se fossem os avessos ?
seria diferente se não tivessem envenenado com cicuta as perguntas ?
não tenho resposta
só achados

vivemos por antes e por agora
a divina comédia da história
colocamo-nos entre o céu e o inferno
talvez eles nem existam
e cá estamos a achar que existimos
semiótica hilariante
para quem nos olha de cima ou de baixo ou pelas laterais

seria ainda mais tragicômico se fossem cegos .











segunda-feira, 29 de agosto de 2011

[Ex] isto

Arte oculta de ser humano
finda nos mistérios do existir
páginas amareladas do conhecimento
historia das ideias, pensamentos atemporais
um labirinto tortuoso, infinito
do que é ser 

Leio, leio leio
preciso existir mesmo não sendo
leio,
quero ser e existir
há de prosperar meu desejo cósmico
hei de ter o existir

Apoteotica a mente eleva
sem pregar nem martelar
silenciosa a mente expande
e alcança outras cabeças
de graça na praça

Decepo socrateando
Discípulo de Plutão
que, mesmo de longe
 fora de órbita
existe !





sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Rebelibianos

Ainda Dita
por consequência rebelde
rebeleões

Guerraz

Síndrome de deus
bastasse um eu.de.
que aí não seria em vão

Álcool [rão]

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

é que o [mal] também é necessário

a razão aumenta o que é raso
se é raso é de rachar a cuca
se tem cabeça é pra ser profundo
se tem fundo tem coração
se tem coração
tem dor
que é necessária
não por maldade
mas por ser necessária .

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Bicho do mato no ato

Porque sou bicho do mato
e de tanto ser meio bicho
virei bicho inteiro

Do mato no ato
no núcleo do seu átomo
tomo suas doses de Ás

Te observo Ás, há algum tempo
prepare a jogada que entrarei na parada
pois sou curinga e só apareço na hora errada
hahá!
Ou ouviu o tilintar dos meus guizos?

Já fui ...!

segunda-feira, 6 de junho de 2011

domingo, 5 de junho de 2011

des do contra

o encontro se encontra exatamente no desencontro
fazem parte do mesmo momento
porque quando se desencontra
encontra-se outra coisa
outra pessoa, você mesmo


o esmo do encontro se faz um achado.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Sêmenlhança

Recriarte
Copiarte
Publicarte

pandemônios a parte;

Copiarte que me sinto bem
a idéia primeira Illumitarte
em segredo terá
o Luar-te
até que o In
farte !

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Flores astrais me atraem demais

Hum, flor , flor do dia
seu pó-pólen até me engasga
seja púrpura
pura e psicoflor

Vales verdes valem vidas
flores astros valem idas
seja cítrica
para eu babar o cosmo

Linda lá
só cintila...
Linda si
só... sól

Hum, não resisto...
sinto muito
sinto tanto esse cintilar
arde, vai !
que é para eu pirar !

 flower power, bicho.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Sater uno

Quando me ouço, me estranho
ainda sou uma estranha para mim
uma estranha conhecida

Sem certezas
agora com perspecAtiva
e com Sater .

terça-feira, 10 de maio de 2011

Rum

Eu, que me tenho nas mãos
que me escapo entre os dedos
me eliquefiz

mergulhei em sonhos oceânicos
e agora desbravo a solidão líquida
em caravelas pequenas, mínimas
dois remos

piratiei desejos
ainda luto pelo tesouro
que não é ouro
que não é nada disso

de porto em porto
um vazio oco
ainda tenho o mar
e voltarei pra lá

que o mar tem me elevado
e eu quero ser levada
pra longe
pra onde ?

um brinde .

domingo, 1 de maio de 2011

O poeta

O poeta é poeta porque vive só
é preciso.

Falar do mundo e de seus detalhes
só é possível quando se vive distante

alheio ao comodismo
é preciso da película

O poeta vive só
e não é feliz

E não é feliz
porque vive só

É preciso.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Reflexo do ego mistério sem fim

Eu vejo minha imagem invertida
cada vez mais desfocada
desconexa

O semblante é outro
não vale mais ouro
vale lata
é pena

A palavra ecoa
tortura
mais ?
mas...
é.

E o que eu faço ?
Quando olho vejo parte de mim
envelhecida
abatida
sem brilho

Não quero ser sua imagem
nem semelhança
ainda há, acredito eu
ainda há esperança

Mas ontem eu cedi
ao seu som
ao seu tom
Hoje que te vi
senti dó

Sempre foi duo
geminis
mas hoje eu consegui escolher
o que não quero ser

E foi só olhar pra ti...

terça-feira, 26 de abril de 2011

o elo

é tanta coisa, tanta coisa que o olhar congela e o pensamento vai...
e vai longe.

Tão longe que até onde os olhos alcançam, aqui nessa realidade, é ausência total,
vira tintura a óleo.

E adentro alcanço profundidades e níveis de consciência intensos, certas vezes, intenso demais
a ponto de eu não compreender de imediato tudo aquilo.

...nos últimos dias e noites, tintura a óleo.

                                                                ... e minha poesia concreta, frágil que nem areia.

O elo com óleo.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Confia<>viável

São duas vias
A tua e a minha
Não que o saber precise da constância
Ele precisa existir
E com ciência
A gente se cruza.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Gosto

Gosto do gosto
do cheiro
do toque
da carne nua

Gosto do natural
do limpo
do puro
sem textura
sem disfarce

Gosto das marcas do tempo
dos cabelos brancos
do olhar brando
gosto da velhice
porque dela não escapo

Gosto do gozo do mundo
do seu que é meu
do meu que é seu

Gosto da dúvida sem apego
da dor que passa
dos lábios cortados
das palavras que rasgam

Gosto do eixo quando está fora
embora outrora ele volte

Gosto muito de mim
gozo no fim
carnavalizo o sentimento
deixo o tesão na sua boca.

Transtorno

O transtorno é pessoal, global, pode ser micro ou macro.
Pode te levar a qualquer lugar, desde que você esteja disposto a se transtornar.
Caos.
Inclua o caos, viva a desordem.
Contrarie-se, desorganize-se, confunda-se, transtorne-se!
Siga o fluxo se não compreender, não se prenda à normalidade terrena.
Você é mais, pode ir mais além se quiser.
Transtorne-se.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Insulto

Bacana babaca
Que panca !
Não nota, nem nota
o que vibra daí

Blasé paraguaio
Tão frágil se quebra
uma palavra, só uma e
quebra.

Você fala feio
é feio!!
Um conselho, suma!
Assuma seu dom desafinado
e suma.


Se bate um coração ou não
de nada importa
Que o mundo precisa de gente
Não disso
é isso.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

a.C. / d.C ( antes do Curinga/depois do Curinga )

A pulsão do mundo palpita aqui agora
No centro, no meu centro
Uma ansiedade súbita me tira as palavras
E escrita se faz solidária

Um oasis de elementais
Jogados, lançados pra todos os lados
Miragens e figuras enigmáticas
Porém reais
Cem reais.

E pensar que estou girando todo o tempo
Que sou tudo para mim
E nada para quem quiser
Ou não quiser
Gira mundo, gira!

Proporção, propensão,propósito próprio
palpitação.

É que hoje é domingo
e domingo é dia de curinga.

Vida blues

A noite chama
Me rendo
Só vendo...
A vista bacana
Ativamente branda
Encana.

Floyd explica.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Dó de si em mi

Corpo cá, mente lá
Mente si
Conto-lhe minha mais nova mentira melódica
Porque sua atmosfera gosta de se iludir
O que é razo é razo e de fera sua atmos só tem o som.

Sem dó, o sol me queima assim como neurônios são assassinados nas esquinas
Faria tudo novamente, ah fa...
Pois o medo sem e é o que me chega aqui
Tenha dó de mi...
Si, de mi.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Sem nome para isso

Uma palavra que escapa aqui...
O olhar que se perde ali...
E os amores líquidos.


Ai.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Virtual

Caiu na rede é peixe
ou vírus.
Aviso aos navegantes
piratas, ratos de cobre
minha conexão é outra
estou no limite
prefiro o nexo ao seu aumentativo.

o grama

Amargo o_grama
Gosto , cheiro, ânsia.
CriAtiva a mente atina
Outra inspiração aspirarei.

A ponte

Sou a Lua
    
            sem a ponte

                                Lu

                                        a.
 
                                  L  

                            a.