quinta-feira, 26 de abril de 2012

Verso para Clarice

É que eu também sou o escuro da noite e de todo eco que o compõe.Quando grito o silêncio, é tempo perdido, coisa que palavra nenhuma consegue escapar. E se dita no auge da pretensão, torna-se repleta de sentido nenhum.Lancei-me, mergulhei por inteira, perdi o fôlego e afoguei-me numas mágoas imbecis. Defeitos.
Não posso fazer nada quanto a me equilibrar no caos, acho que é coisa de circo, um talento passado que deixou sinais. Quanto valem esses receios enquanto escrevo? Não mais que minhas outras sensações, e por isso, percebi que esse é mais um daqueles bilhetes que trocamos sem segredo.

3 comentários:

  1. Olá.

    Convidamos-lhe a conhecer o nosso blog.
    Trata-se de um blog coletivo dos escritores e escritoras de Pouso Alegre.

    http://contextomental.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.